24
Set 09
publicado por brmf, às 20:24link do post | comentar

Antes de explicar as razões do meu sentido de voto, tenho de confessar que, salvo erro, e as votações em que participei não foram assim tantas para estar enganado, é a primeira vez que voto no PS. Votei sempre CDS ou PSD, aliás, acho que só votei no PSD nas Presidenciais (nas presidenciais não se vota num partido, mas votei no candidato que esse partido apoiava) – e bem me arrependi -, de resto votei sempre CDS. Votei porque não concordando sempre com as suas propostas, nomeadamente no que diz respeito às questões “ético-morais” ou questões ditas “fracturantes”, achei que era um partido que merecia “peso” no parlamento. Mas desta vez não o vou fazer. Hesitei o meu voto entre o PS e o CDS. Mas quando vejo o CDS afirmar que só fará coligações com o PSD, tenho medo, tenho muito medo. Não percebo esta táctica do CDS. Expliquem-me lá muito bem em que é que o actual PSD está mais próximo do CDS do que o PS. Não consigo perceber. EU vi os debates Louçã-MFL e Louçã-Sócrates, mas acho que os populares não viram. Eu vi a MFL a concordar com 80% das coisas que o demagogo Louçã dizia. Eu vi isso tudo. Não percebo como é que o CDS não viu. Além disso, estou farto do discurso populista do Paulo Portas quando fala em segurança, no RSI, na emigração, entre outros assuntos que apelam aos sentimentos mais básicos e irracionais da população.

 

Mas voto no PS também por outras razões. Voto no PS porque acho que é preciso ter muita lata para dizer que o PS teve condições de governabilidade ímpares quando assistimos à maior crise mundial do último meio século. Voto no PS porque acho que o PS tomou atitudes corajosas. Mexeu em poderes instalados que - todos falam - mas nenhum teve coragem de atacar. Fez reformas positivas na administração pública e na saúde. Deu alguns passos positivos na educação. Entre muitas outras coisas, tais como:
- inglês em todas as escolas do ensino primário;
- programa Inov-Jovem;
- programa Novas Oportunidades;
- algumas políticas de emprego, como o princípio da procura activa de emprego, os programas ocupacionais destinados a desempregados subsidiados, o apoio à criação do próprio emprego pelos desempregados subsidiados, etc (salvo erro, acho que foram todas medidas deste governo, mas se não foram, foi este governo que fez alguma coisa que se visse nesta área);
- o apoio ao SIM no referendo sobre a despenalização do aborto.

 

Podia elencar muitas outras medidas, mas acho que já ficou aqui um bom argumentário na defesa do meu voto.

___

ricochete


o docontra e eu
Sempre a par
pesquisar neste blog
 
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
25
26

27
29


comentários recentes
<br />O grupo Maria Isco fornece ajuda para ...
Meus amigos lá é uma nova maneira de se tornar mui...
Nós somos um fornecedor de empréstimos de dinheiro...
Twitter
links
Twingly BlogRank