28
Mar 13
publicado por brmf, às 14:50link do post | comentar

O Tribunal Constitucional tem como função primeira fiscalizar a (in)constitucionalidade das leis. Se a Constituição não serve a culpa não é do TC. A culpa é de quem aprova as leis - nomeadamente a lei fundamental - que é o Parlamento. Tudo o resto que se diga sobre o TC e as suas responsabilidades são, como diria o grande Paulo Bento, "postas de pesacada".


18
Jan 13
publicado por brmf, às 13:40link do post | comentar

1. Que grande desilusão. E, caso o Jan Ullrich, o eterno segundo, tenha corrido de forma limpa - o que também foi posto em causa - é o gajo mais gravemente prejudicado da história do desporto.

 

2. Então, a asfixia democrática já era? Eu nem aprecio o estilo do Alfredo Barroso, atira em tudo que mexe, e não raras vezes de forma menos elegante, mas que cheira mal, lá isso cheira. Como cheira mal que figuras ligadas ao Governo decidam quem os contrapõe nos frente-a-frente do Programa.


07
Dez 12
publicado por brmf, às 14:32link do post | comentar

"(...)reformas douradas (7%) representam 28% do montante total pago em reformas. Resta saber quantos destes realmente descontaram o suficiente para justificar receber este montante e quanto recebem estas reformas apenas por cumprirem alguns anos em organismos públicos ou cargos políticos. Infeliz e convenientemente, esses dados não estão disponíveis." (CGP, n´A Montanha de Sísifo)

Sem surpresa.


30
Nov 12
publicado por brmf, às 16:17link do post | comentar

Governo, 15-03-2012: "O governo decidiu, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, só dar tolerância de ponto aos funcionários públicos, este ano, no dia 24 de dezembro"

 

Governo, 29-11-2012: "O Governo anunciou, esta quinta-feira, que haverá tolerância de ponto para os funcionários públicos na véspera de natal e na véspera do ano novo".

 

Em Março, os Portugueses não entenderiam tolerâncias de ponto num ano onde se retiram quatro feriados; Em Novembro, a justificação é o dia do feriado, a terça-feira. Só encontro uma justificação: consultaram o calendário errado em Março.

 

Este governo, tão célere a acabar com quatro feriados, não é capaz de acabar com a pouca vergonha das tolerâncias de ponto. Quem quisesse  tolerância de ponto tinha bom remédio: desconto do dia nas férias. Este novo conceito de "tolerãncia de ponto" serviria apenas para que todos pudessem usufruir do dia. Ou seja, o Estado apenas teria de "libertar" o dia, podendo qualquer funcionário tirar férias na data.


28
Nov 12
publicado por brmf, às 12:50link do post | comentar

Câmara Corporativa. Pena que no Poder percam qualidade.

Secções: , ,

27
Nov 12
publicado por brmf, às 12:45link do post | comentar | ver comentários (32)

Se me perguntarem qual a empresa com a qual nunca deverão contratar um serviço, eu respondo: MEO.

 

No dia 8 de Agosto de 2012 enviei uma carta para a empresa com a reclamação que passo a transcrever:

 

Na sequência do pedido de cancelamento dos serviços de telefone, internet e TV, com nº 502 309 159, venho por este meio expor, de forma cronológica, o conjunto de incumprimentos por parte da MEO ou representantes directos ou indirectos da empresa. Antes de expor os motivos do pedido de rescisão de contrato, é de lamentar a falta de controlo ou responsabilidade da MEO por pessoas – agentes comerciais de rua - que carregam consigo documentos fornecidos pela MEO.

Assim, exponho os motivos do pedido de rescisão do contrato que, por mais do que óbvias razões, só podem ser de justa causa, daí recusar-me a arcar com quaisquer responsabilidades derivadas de períodos de fidelização, dado que os motivos que me levam a rescindir, como perceberão adiante, nunca poderiam ser invocados nos 14 dias seguintes à instalação do serviço, ao abrigo do período de experimentação:

1. Cerca de uma semana antes do dia da instalação do serviço MEO Fibra, na morada "XXX", o meu pai foi abordado por uma agente da MEO, com elementos identificativos da empresa, panfletos e documentos contratuais na sua posse, no sentido de o persuadir a aderir ao serviço
Meo Fibra, ao abrigo de uma promoção destinada especificamente a Cafés, segundo a agente. Foi-lhe apresentado um pacote que iria custar, no total, com IVA incluído, 55,16€, com acesso a televisão (80 canais), internet (15Mb com tráfego ilimitado e Wi-fi), telefone com chamadas ilimitadas para números da rede fixa, canais premium SportTV e equipamento necessário à utilização dos serviços. Foi-nos garantido que a mensalidade da box era oferecida.

 

2. À data tinhamos um serviço da concorrente ZON com preço de 54,39 para os serviços televisão, telefone (noites e fins-de-semana) e SportTV (sem Internet).

 

3. Dado a relação serviços oferecidos vs preço, eu e o meu pai decidimos mudar para a MEO; isto na expectativa que o valor a pagar fosse muito parecido, dado que com as chamadas telefónicas, o valor das facturas ZON estava nos 54/57 euros/mês em média; só mudamos dado que não haveria um incremento de custos, face à situação difícil da economia a que não somos alheios.

 

4. A agente comprometeu-se a tratar da desvinculação com o fornecedor dos serviços à data, a ZON, e da portabilidade do número de telefone, o que num negócio comercial tem muita importância.

 

5. No dia 12 de Junho de 2012 assinei o contrato da adesão ao serviço MEO Fibra na boa-fé das informações prestadas pela agente. No contrato não vinha colocado o valor da mensalidade: nem aquele que refiro que nos foi prometido, nem o que foi facturado pela MEO. Apenas faz referência no campo “Observações” a que se tratava de um Pacote Empresa. Nada mais está inscrito no contrato. Na mesma ocasião, assinei os documentos de desvinculação com a ZON e o pedido de portabilidade do número de telefone fornecidos pela agente comercial, que foram levados pela mesma. Em todo o este processo cometi um erro: não exigi fotocópia destes documentos à agente/comercial. Na minha boa-fé não premeditei a má-fé da MEO e dos seus representantes.

 

6. O serviço foi instalado no dia 18 de Junho de 2012. Nada a assinalar relativamente à qualidade do serviço que cumpre o acordado.

 

7. Entretanto a portabilidade do número demorava a efectuar-se, mas como a agente referiu que poderia levar duas a três semanas a ser efectuado não me preocupei, apesar do prejuízo causado pelo facto.

 

8. Em meados de Julho, recebo a factura A502817333, que muito me espantou, já que continha um valor a pagamento muito superior ao combinado. Valor de aproximadamente 62€ devidos ao mês de Julho e o restante ao mês de Junho, que perfez um valor de 86,79€.

 

9. Na mesma data, mais dia menos dia, recebo a factura da ZON relativa a Julho.

 

10. Estupefacto com a dupla facturação, facturas de dois operadores quando só dispunha de um serviço, e o valor da factura, tento entrar em contacto com a agente/comercial. Expus a situação, e ela disse que ia averiguar e que me ligaria de volta. Referiu que devia ter sido algum engano. Esperei a chamada mas nada. Voltei a ligar e não me atendeu. Tentei de novo e nunca mais me atendeu.

 

11. No dia 19 de Julho, dirijo-me a uma loja da MEO, a Bluestore da Rotunda da Boavista, Porto, para expor e reclamar a situação. Mostrei as facturas da Meo e da Zon e o operador de loja, aconselhou-me a dirigir a uma loja da ZON para verificar se tinha dado entrada algum pedido de rescisão. E se não tivesse dado entrada para pedir imediatamente a rescisão do contrato para suspender no imediato a facturação. E disse para pagar as facturas da ZON se o pedido não tivesse dado entrada, e para apresentar à MEO o comprovativo de pagamento das facturas que a MEO faria o acerto na sua factura, através de nota de crédito, dado que o erro teria sido interno.

 

12. Nesse mesmo dia, rescindi o contrato com a ZON e paguei a factura de Julho;

 

13. No dia útil seguinte dirigi-me a mesma loja com o comprovativo de pagamento das facturas de Junho e Julho da ZON. Um operador fotocopiou as facturas e comprovativos de pagamento e fez a exposição, ficando eu com um comprovativo desse pedido, que tenho em minha posse. Nessa mesma data, expus a questão do custo dos serviços, e ele sugeriu que eu fizesse uma reclamação via telefone para o número da PT Negócios, dado que não tinha competências para tal.

 

14. Entretanto fiz a reclamação telefónica sugerida pelo operador de loja, que ficou registada com o nº 1-15856375304.

 

15. Recebi duas cartas da PT datadas de 23 e 26 de Julho de 2012 com o indeferimento das duas reclamações: Uma referindo que o valor facturado está de acordo com a solução contratada; e outra dizendo que a responsabilidade da rescisão de contrato de prestação de serviços com outro operador não está disponível para clientes empresariais.

 

16. Na sequência do exposto acima, decidi rescindir o contrato com a MEO no dia 07 de Agosto de 2012.

Face ao relatado, estou disponível para arcar com as consequências da rescisão unilateral do contrato, mas devido às mentiras e falcatruas da MEO ou seus representantes, não me resta outra alternativa.

 

1. Tive e estou a ter prejuízos avultados pela não portabilidade no número de telefone.
2. Estão a ser facturados valores não acordados: se não existe prova do valor que refiro que me foi prometido, muito menos existe do valor que está a ser facturado.
3. Estou disposto a seguir para a frente com o processo em tribunal, e presencialmente, frente a frente com a agente/comercial que celebrou o contrato comigo, confrontá-la com a situação.
4. Várias informações prestadas foram incorrectas.
5. Fui enganado pelo MEO!
6. Tentarei que mais ninguém seja enganado por vós!
7. Usarei de todos os meios disponíveis para que se faça justiça. Não terei problema em ir a Tribunal, nem como fazer má publicidade dos vossos serviços junto de órgãos de comunicação social, blogues, redes sociais e outros meios. Usarei de todo o meu poder de influência para mostrar a todos o quão mau é o vosso serviço.
8. Não vou pagar a factura de Julho dado que fui enganado. Quanto muito pagarei a parte referente a parte do mês de Junho, já que admito que mesmo que o processo de rescisão com a ZON tivesse entrado na data acordada, a factura da ZON já tivesse sido emitida.
9. Toda esta situação está a causar-me elevado transtorno e prejuízo, material e imaterial, já que perdi horas de vida, não pagas, a tentar encontrar uma solução para algo completamente SURREAL.
10. Lamento por mim e por todas aquelas vítimas que são enganadas pela vossa publicidade enganosa e pelas vossas informações incorrectas e dolosas.
11. Nem eu nem a minha família devemos nada a ninguém, à excepção do empréstimo do crédito-habitação que cumprimos religiosamente todos os meses, pelo que não será a MEO a acusar-nos do contrário.

Deixo uma última informação que vocês devem ter, mas que incompreensivelmente parecem não fazer caso, de acordo com a minha experiência nos contactos estabelecidos com os vossos serviços, seja em loja ou via telefone: o nome da agente é Clementina e o número de telefone 968795429. Infelizmente não tenho mais dados, dado que vocês não fiscalizam, inspecionam ou supervisionam o trabalho daqueles que vos representam.

Lamentavelmente não me posso despedir com as melhores saudações como manda a boa educação,
Bruno Ferreira


Notas adicionais:

- Por receio, o meu pai, contra a minha vontade, pagou a factura relativa a Julho ao contrário do prometido no ponto 8 (2º listagem). Ele parte sempre do pressuposto que o "mexilhão é que se lixa";

- Semana passada recebi uma carta com uma factura de 700 e tal euros relativos a todo o período de fidelização.

- A Meo quer ganhar dinheiro à custa das suas trafulhices. O tribunal há-de decidir.



15
Out 12
publicado por brmf, às 10:50link do post | comentar

 

(Desfile de Nuno Gama, no ModaLisboa - via Facebook, RiseUp Portugal)


publicado por brmf, às 10:41link do post | comentar

Excelente entrevista da qual destaco (mas vale a pena ler tudo):

 

"Os votos em branco – e não as abstenções – deviam estar representados no parlamento por lugares vazios. Tinha duas vantagens. A primeira era trazer pessoas que não votam para dentro do sistema – qualquer dia temos uma vastíssima maioria de pessoas que nem vota, e isso é muito grave do ponto de vista da legitimidade democrática. Em segundo, levaria a que os partidos competissem entre eles, mas também que ganhassem confiança do seu eleitorado. Assim eles estão relativamente indiferentes ao aumento da abstenção. Além disso, uma pessoa – e já me aconteceu a mim – que vai votar e vota em branco tem, politicamente um voto muito significativo, quiçá mais do que votar num partido, porque significa que não dá confiança a nenhum dos partidos. No entanto, é democrata e foi votar. Mas hoje esse voto soma às abstenções, o que é uma mentira."

 

À distância, pode dizer-se que foi um dos melhores ministros das finanças que este País já conheceu. Ele avisou e poucos o escutaram - faço mea culpa.


12
Out 12
publicado por brmf, às 14:49link do post | comentar

Eu também faço parte de uma “raça de homens” que paga o que deve. Mas o problema não é esse. O problema é que o Estado, por culpas várias, não pode pagar a toda a gente que deve no prazo estipulado. E este governo tem escolhido sempre pagar aos credores financeiros da dívida pública. E nunca aos credores de trabalho, quer aqueles que descontaram toda a vida para ter uma reforma condizente, quer todos aqueles que têm vindo a ver os seus rendimentos brutalmente reduzidos apesar dos contratos sociais e laborais assinados e que entretanto foram “rasgados”.

A escolha é entre não pagar ou pagar tarde e mal. Eu sei que qualquer escolha é péssima, mas, infelizmente, não temos alternativa. Como estão as coisas corremos o risco de não pagar nada. Estamos na presença de um ciclo vicioso, apesar do governo nos querer vender a ideia do ciclo virtuoso.


03
Out 12
publicado por brmf, às 16:48link do post | comentar

As novas medidas de austeridade são más? São.

São melhores que a alteração de responsabilidades com a TSU? São.

 

A diferença é esta: antes os trabalhadores privados financiavam os empregadores e o Estado; agora os trabalhadores privados financiam parte da devolução dos subsidios aos funcionários públicos e o Estado. Com uma vantagem: é um esforço progressivo. Quem ganha mais contribui mais. Na minha análise é tão simples quanto isto.

 

À data da tomada de decisão, a medida anterior não tinha consequências sobre défice, apenas tentava - julgo sem sucesso - contornar uma decisão do TC; esta tem consequências sobre o défice (a menos que o subsidio dos FP seja encarado como um prémio).

 

Deixando de lado a comparação entre medidas: isto vai agravar a recessão. E a dívida vai continuar a aumentar. Sem cortar a despesa a sério e renegociar a dívida não temos saída. Enquanto considerarmos os contratos com os credores mais importantes do que os contratos com os portugueses e os trabalhadores não vamos a lado nenhum. Forte com os fracos; fraco com os forte.


28
Set 12
publicado por brmf, às 12:02link do post | comentar

"Será que mais dois meses de vida, independentemente dessa qualidade de vida, justifica uma terapêutica de 50 mil, 100 mil ou 200 mil euros?"

 

Qual é a diferença disto e da Eutanásia? É pior - é deixar morrer lentamente.

 

Claro que há desperdício na Saúde e deve ser cortado. Claro que, p.e, na escolha de dois medicamentos com resultados similares cientificamente comprovados deve-se optar pelo mais barato. Etc, etc. Mas não se pode justificar a indignidade com a crise. Não se pode proibir as pessoas de pôr fim à sua vida por livre iniciativa e ao mesmo tempo não lhes prestar cuidados que minorem, pelo menos, o seu sofrimento.

 

Há tanto por onde cortar...

 

Quem ler a imprensa e certa bloga julga que nós gastamos o que temos e o que não temos. Isto não é verdade. As projecções do ministério das finanças apontam para um saldo primário positivo no período 2012-2016. O nosso problema é o pagamento da dívida. Pergunto eu: para pagar aos nossos credores vamos deixar morrer os nossos doentes. Como diz o bastonário da ordem dos médicos e bem: "Vamos regressar ao princípio Ceausescu de que o mais barato é o doente morto?". Os juros são grosso modo a soma de duas variáveis: remuneração + risco. É preciso negociar com base nisto. O Governo não pode ser forte com os fracos e fraco com os fortes.

 

[Fonte]

 


25
Set 12
publicado por brmf, às 20:08link do post | comentar

Não sei se já o disse, mas o dia 15 de Setembro representou a minha primeira ida a uma manifestação política, acho que até foi a primeira de qualquer tipo. Como não sou nem tenho espirito de “manifestante profissional”, não foi algo que fiz de ânimo leve. Confesso que não me senti à vontade nos gestos, nas palavras e nos movimentos. Mas não me senti mal, muito pelo contrário. Aquela não foi uma manifestação qualquer. Foi uma manifestação que teve pouco de “profissional” e este é o maior elogio que se lhe pode fazer. Muito silenciosa para o habitual das manifestações. O sinal mais preocupante foi-nos dado pela angústia do seu silêncio. O melhor sinal foi-nos dado pelos seus resultados: a mais gravosa e austera medida (para os trabalhadores, claro) de todo o "dito" plano de ajustamento, que nada tinha a ver com resolver o problema do défice e da dívida pública, nem sequer com a decisão do TC, foi chumbada nas ruas e o Governo recuou na sua aplicação. Sabe bem sentir que fomos importantes.

 

«A manifestação do fim-de-semana passado não tinha sido convocada como marcha silenciosa. Mas, em muitos pontos do percurso - e assisti a toda ela de um ponto de vista fico, ou seja, ela passou toda por mim - esta foi uma manifestação muito silenciosa. É verdade de havia alguns slogans jocosos escritos em cartazes, é verdade que houve arremedos de palavrões atirados contra Pedro Passos Coelho e Vítor Gaspar - que, na maior parte das vezes, caíram em saco roto. É verdade que se gritou, por momentos, vários, alto e bom som, o clássico «O povo unido jamais será vencido». Mas se o ritmo desta manifestação fosse medido por um electrocardiograma, ele teria um ritmo muito calmo e regular.

O silêncio impôs-se, acabando por revelar o que estava por detrás de toda a mobilização a que assistimos. O desalento. A tristeza. A incredulidade. E uma certa falta de esperança. Tenho para mim que isso tudo se deveu à estocada final do novo regime da TSU, cujo ferro, depois de espetado nas nossas costas, foi rodado e escarafunchado pela fraqueza no discurso, pose e explicações de quem nos governa.

Esta foi uma manifestação séria, num país sério, de gente que decidiu mostrar, de forma séria, que está seriamente descontente com o que se está a passar. Do meu ponto de vista privilegiado, vi gente sobretudo da classe média urbana com muita vontade de dizer o que pensa, com muita vontade de exercer a pluralidade democrática, com muita vontade de fazer-se ouvir... mas com muito poucas forças para gritar. Gente de classe média, repito. Que lutou pela sua vida e, nessa luta, pelo progresso do país. Gente que trabalhou para um futuro melhor e agora está a vê-lo cada vez mais inseguro. Gente que foi até à Praça de Espanha e depois voltou para trás, dever cumprido, missão atingida. Gente de paz. Gente sem mais nenhuma ideologia que não fosse a do viver do dia-a-dia - e já é tanto.»

Silêncio e tanta gente. Muita, mesmo muita”, Catarina Carvalho, NM


o docontra e eu
Sempre a par
pesquisar neste blog
 
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


comentários recentes
Meus amigos lá é uma nova maneira de se tornar mui...
Nós somos um fornecedor de empréstimos de dinheiro...
Grave um depoimento dinheiro pronto quando bancos ...
Twitter
links
Twingly BlogRank